novembro 13, 2009

Breve Biografia - Omraam Mikhael Aïvanhov -

Omraam Mikhael Aïvanhov, nasceu nos alvores do século XX, em 31 de janeiro de 1900, em Serbzy, filho de uma família pobre de uma pequena aldeia na Macedónia ao pé do Babouna Planina, nome original Michael Ivanoff. Lá ele passou sua infância em uma Macedónia dominada pelos otomanos e afligido por lutas contínuas com os vilarejos próximos, turcos, gregos, sérvios e búlgaros. Em 1907 o vilarejo onde morava a família foi queimado pelos gregos nacionalistas e a família mudou-se para Varna, na Bulgária perto do Mar Negro.

Além disso a família passa por circunstâncias difíceis. Na idade de nove anos Mikhael perde o pai e assume responsabilidades familiares ajudando a mãe, que amou com grande amor e devoção, e seu irmãozinho. Desenvolve o trabalho do artesanato (ferreiro), o que permite a compra de uma pequena casa. A mãe, conhecida na região pela sua bondade e dedicação, é o primeiro modelo que inspira a sua conduta de vida. Ela também o incentivou quando passava dificuldades causadas pelos intensos exercícios espirituais praticados em tais uma idade precoce.

Mikhael, no entanto, frequenta a escola mas com pouco interesse em temas tradicionais. Tendo nenhum recurso financeiro para comprar livros da escola, dava uma olhada na lição aprendida nos livros emprestado de seus colegas. Tem desde criança uma forte atração para os livros espirituais: O Evangelho de João, O Livro dos Provérbios de Salomão ou Genesis. Jesus, em particular, representa uma grande fonte de inspiração para os seus pensamentos e sentimentos.

Torna-se um frequentador incondicional das bibliotecas onde encontra, apesar da situação social da Bulgária, os clássicos de todas as grandes religiões … Lê entre outros, os livros de Steiner, Blavatsky, Espinosa e Paracelsus.

Na idade de 13 anos descobriu lendo alguns livros, Buda, Mestres hindus e as técnicas yoguicas e de respiração Ramacharaka, às quais se ligou de maneira particular.

Quando criança Mikhael é liderado por um extraordinário desejo de melhoria, um alto ideal de ajudar a humanidade, e uma profunda necessidade de se atingir o pleno conhecimento das coisas, o que o levou a passar muito tempo lendo e praticando exercícios espirituais. Sente-se fortemente atraído pela pesquisa específica do mundo espiritual e poderes ocultos do homem. Experiencia técnicas de concentração , o poder do pensamento, o contato interior com o mundo invisível … estuda a luz, os efeitos da a luz e as cores derivadas.

Interiormente está convencido da presença do mundo invisível e busca nas formas da nartureza a chispa divina que dá origem às manifestações. Mais de uma vez sua mãe o encontra, já na idade de 4 anos, à beira das nascentes de água ou diante do fogo aceso. Água e fogo constituem desde sua primeira infância os dois elementos e símbolos que estarão constantemente presentes na sua vida e em suas palestras.

Desenvolve uma perspectiva única que lhe permite reconhecer e pensar as relações entre os fenômenos físicos e espirituais.”Ainda muito jovem, diz em uma conferência, lancei-me prematuramente em determinados exercícios de yoga, respiração, concentração … Foram dias e noites de estudo, meditação e jejum.” Uma experiência muito mística e física da qual falará mais sucessivamente.

Ao ensinar a importância do equilíbrio, nos diz que o verdadeiro entendimento não é conquistado com qualquer célula do cérebro, mas com todo o corpo, porque na realidade, é o prelúdio de uma outra experiência, a qual cita em várias de suas conferências: “Uma tarde aconteceu algo que não posso nunca esquecer… Eu estava em um estado meditativo quando surgiram dois seres: um de uma altura impressionante … respirava a força e poder, o seu rosto estava duro e olhos escuros, era como uma aterradora visão. O outro, um ser radiante e bonito, cujos olhos expressaram a imensidão do amor divino … E foi como se eu tivesse que fazer uma escolha … Fiquei impressionado com o poder do primeiro, mas no meu coração eu tinha medo, porque era algo terrível, então deixei-me atrair pelo outro, e eu o escolhi porque tinha os traços do Cristo, a imagem de doçura, de bondade e do sacrifício.”

Mikhael fez sua escolha definitiva: trabalhar com a Luz e colocar-se à serviço da Luz!

Essa experiência que o mestre viveu tão intensamente na sua juventude, de fato, de forma muito sutil é reproduzida em todos os homens. Todos nós somos confrontados com tais escolhas, somos induzidos a cumprir na vida escolhas de valores sem estar ciente disso e negligenciar as consequências.

“O Criador deixou suas criaturas livres; deve-se portanto, compreender a direção que se deve tomar para se desenvolver. Eu pergunto: Por quê? Não seria melhor que Deus se impusesse aos seres humanos ditando o comportamento a seguir? Não, é você quem deve descobrir onde realmente o seu interesse reside, sua tarefa é a de perceber porque é melhor tomar uma direção ou fazer uma escolha em vez de outra. Necessitam realmente estar convencidos disto. O que ganhariam se fossem realmente empurrados contra sua vontade, ao caminho da bondade e da luz? Muito pouco. Portanto, O Criador e os espíritos celestes dão ao homem plena liberdade já que lhe corresponde entender e sentir por sí próprio seu melhor caminho.

Um comentário:

Anônimo disse...

Obrigada pela postagem. Vou em busca de alguns livros deste mestre.
Paz e luz.
Maria Coelho